O Brasil e o deserto que avança no Semiárido

Semiárido: mudanças ampliam processo de desertificação/Reprodução

O Brasil tem um deserto que cresce todos os dias. As mudanças climáticas alteram cada vez mais a configuração de áreas castigadas historicamente pelas longas estiagens, mas o processo pelo qual passa uma parte considerável do nosso território deveria preocupar as autoridades e assustar o país como um todo. Não é o que parece ocorrer.

Dados do relatório do Painel Intragovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC, da ONU), de agosto deste ano, apontam que a região do Semiárido brasileiro passa por processo de desertificação numa área do tamanho do território da Inglaterra. O que conhecemos como Semiárido corresponde a parte do Nordeste e a região ao Norte do Estado de Minas Gerais. (veja matéria da BBC Brasil).

Quem conhece um pouco a história das longas secas que atingem o território nordestino sabe que o problema da estiagem não é novo – os registros são tão antigos quanto os relatos, as transformações e as experiências regionais que inspiraram e até hoje inspiram as criações literárias, do cinema e do teatro acerca dos flagelos. A despeito do que já se viveu e se sabe do ponto de vista científico, o fato é que a desertificação ora em curso passa por uma aceleração combinada a outros fatores ainda mais fortes: as mudanças climáticas, aos eventos extremos que produz e suas consequências.

O citado relatório do IPCC, por exemplo, mapeou que um único Estado nordestino, Alagoas, tem deserto em formação superior a um terço do seu território. A perda de qualidade do solo, da umidade e da capacidade de renovação ou cultivo atinge outras importantes áreas de todo o Semiárido. Vai muito além da histórica elevação das temperaturas e da falta de água para a sobrevivência humana ou atividades comerciais e industriais: tem a ver com as condições efetivas de habitabilidade de longa faixa do Nordeste e do Norte mineiro.

O que ocorre, por outro lado, é a aparente apatia de diversos órgãos governamentais diante do que toma conta de parte considerável do seu território e da sua gente. Equivale dizer que o Brasil assiste passivamente à perda de condições de vida digna em faixas de terras cada vez maiores, inclusive por negar a existência do problema central – as mudanças do clima – e não investir em tecnologia, pesquisa e ações de redução dos seus impactos para os habitantes da região, inclusive os de ordem econômica.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s