Dizzy Gillespie não foi apenas o ‘Pai do Bebop’ e do Afro-Cuban

Montagem gráfica que fiz com boneco de Gillespie que me inspira em casa

Imagino que quem estuda o jazz a fundo tem sempre a sensação do eterno retorno das figuras mais importantes desse gênero musical. Principalmente quando confrontam carreiras, histórias de vida e a produção de cada ícone da música oriunda do universo afro-americano. Não é o meu caso, que não me atrevo a passar dos postos de mero curioso, admirador do jazz e de eterno aspirante a músico que toca violão apenas de ouvido.

Isso não me impede de ficar por horas a fio buscando, lendo biografias, fuçando nas mídia e nos canais de streaming por mais e mais informações sobre criaturas extraordinárias do mundo desse estilo musical que comecei a ouvir lá pelos 16/17 anos. O difícil sempre é fazer lista dos melhores e das melhores do jazz.

Em face desse impedimento, me aterei a falar de um gênio ímpar do trompete (e do piano) – sem cometer injustiças com tantos nomes: Dizzy Gillespie – que em outubro próximo completará 104 de nascimento.

Por que escolhi falar dele? Por ter arrebatado o título de criador ou de Pai do Bebop ou por suas investidas até na política? Por tudo isso e por muito mais. Dizzy foi muito além.

Primeiro, a genialidade nesse conjunto inovador e das fusões de diversas criações do jazz – indo do Bebop propriamente dito ao Afro-Cuban Jazz. Dentre as ousadias de Gillespie, pode-se dizer que trazer os ritmos latinos como a salsa para o jazz foi das grandes. E se embrenhar pela Bossa Nova – que, a propósito, é homenageada por ele numa das passagens que escolhi para ilustrar este artigo (clique e assista no final do texto).

Outro ponto foi seguir a trilha natural dos grandes maestros e líderes de bandas, inscrevendo seu nome não somente como trompetista e pianista, mas como compositor, cantor e arranjador refinado. E firmar suas bochechas como marca pessoal, ao soprar seu instrumento de maneira singular. Esta é, sem dúvida, sua imagem mais conhecida – a das bochechas inchadas como se fossem explodir.

Outra faceta dele, fácil de encontrar nas principais biografias a seu respeito é sua ousadia de participar da política em plena era de luta dos negros norte-americanos pelos direitos civis, no conturbado ano eleitoral de 1964. Gillespie inventou – e lançou – uma candidatura independente a presidente dos EUA. Não se sabe ao certo se teve um certo sabor de luta ou de ironia, ou de ambas, pois consta que ele prometia “revolucionar” o país caso conquistasse a maioria do eleitorado. Ficou na passagem da sua história e não mais se aventurou, pois sua praia era o jazz.

Por ser o jazz o que ele fez de melhor, convido os leitores e leitoras à apreciação de um momento clássico na vida de Dizzy Gillespie, quando ele toca muito e até faz loas ao Brasil de João Gilberto Prado Pereira de Oliveira, o nosso João Gilberto.

Acho que não tenho condições de ir além. Que me perdoem os fãs dos demais nomes do trompete e do jazz. Serei perdoado porque sou fã de todos eles. E não citarei mesmo outros nomes em respeito às suas histórias. Vamos ao som de Gillespie!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s